• Receitas

    A cura pelas plantas x indústria farmacêutica

    A indústria nos engole. Engole a ponto de pensarmos coletivamente que novalgina não é uma planta, e sim um remédio que o operador do caixa da farmácia oferece a preço promocional, como se fosse chicletes, na hora que a gente vai pagar a conta.

    A Novalgina, também conhecida como mil folhas (Achillea millefolium), pode ser cultivada na sua casa em qualquer cantinho, e ouso dizer que a maior parte das pessoas nunca deve ter ouvido falar dessa possibilidade. O mesmo acontece com a Stevia rebaudiana. Quando falamos o nome dessa planta, quantos de nós associa ao frasco transparente com gosto de remédio que teoricamente serve para substituir o açúcar?

    A Novalgina é tão linda que muita gente usa para fins ornamentais 

    Me assusta o número de farmácias aumentando em cada esquina. Antes, a gente procurava um médico e, se por ele prescrito, o remédio. Agora, seja pela falta de acesso à saúde para todos no Brasil, por costume ou outros motivos, o contrário geralmente se dá: primeiro, o remédio. Depois, se não resolver, quem sabe outro remédio e depois um médico? Cansei de ver amigos usando drogas com sérios efeitos colaterais sem prescrição médica…

    Não estou defendendo a extinção da indústria farmacêutica, meu ponto é que a cura pela natureza tem ficado cada vez mais de lado, a ponto de as farmácias virarem verdadeiros shopping centers.

    Nilton Bonder, em A Cabala da Comida, fala que “é preciso ter consciência de que (…) ignorar um simples mal-estar ou dopar-se com remédios pode fazer no máximo com que a luz amarela se apague, o que não quer dizer que desapareçam suas representações emocional e espiritual em outros níveis, mas tão somente que será mais difícil identificá-las, pois cada plano apresenta um quadro de sintomas próprio”. Tentar absorver essa premissa de forma profunda é um dever que podemos traçar para nós mesmos, pois o sistema do corpo comunica.

    A saída é questionar o uso indiscriminado de remédios e tentar ouvir nosso corpo, um sistema inteligentíssimo que, quando sente dor, sempre tem algo a nos dizer. A busca por essa (auto)escuta é urgente. Não estou falando pra você largar seus remédios sem consultar seu médico, e sim para repensarmos juntos a ingestão de pílulas cotidianas que podem ser desnecessárias.

    Muitas vezes uma infusão resolve. Por exemplo, estou buscando trocar o Buscopam pela infusão de Sálvia para curar cólicas. A Sálvia, pra quem não sabe, é essa lindeza que estou segurando na chamada desse post, com uma textura aveludada deliciosa. Aliás, vale dar uma olhada nesse post se você está buscando entender seus ciclos menstruais e usar as infusões a seu favor. 

    Existem saídas para curas conscientes. Vamos conversar?

  • You may also like

    No Comments

    Leave a Reply

    Pin It on Pinterest

    Share This