• Filosofando com as panelas

    Como fazer para esfriar a cabeça?

    Passe uma infusão e se achegue

    Os novaeristas prometem uma ascensão planetária que não chega nunca. Enquanto isso, tento praticar a proeza de desligar o botãozinho da problematização para não ficar o tempo todo questionando o mundo inteiro, senão até o suco levemente adoçado vira motivo para debater a vida amarga de quem trabalha nas usinas da cana (sempre me lembro do poema ”o Açúcar”, do Ferreira Gullar, que foi apresentado por uma amiga).

    Às vezes não me permito nem um segundo de descanso mental e isso estava me deixando muito amargurada, a ponto da minha terapeuta (e do meu fígado) puxar minha orelha. Se eu continuasse daquele jeito, não haveria pé de boldo que resolvesse meu problema.

    Para amenizar essa amargura pandêmica, separei intervalos na semana para não fazer absolutamente na-da, nada mesmo, e também para ler ficções e tirinhas, escutar músicas dançantes e principalmente me anestesiar assistindo seriados culinários completamente questionáveis, que me fazem revirar os olhos de preguiça em determinados momentos (comecei a contar um pouco sobre os rituais que pratico no Jornalzinho de agosto).

    “Mas Carol, com tantos livros e matérias boas para ler, canais marxistas para assistir, conteúdo sobre plantas para ver, receitas para estudar, podcasts para ouvir, você vai investir seu tempo dando audiência para programas televisivos com uma cosmovisão hegemônica, machista e elitista?”

    “Sim”, responderei sem culpa, já que para descansar a cabeça me permito transitar com leveza por outras realidades sem ter que ligar correndo para as amigas para debater um absurdo que acabei de assistir, mandar um super textão reflexivo no grupo de estudos ou fazer um post gigante contando por que devemos boicotar isso e aquilo.

    Eu estou cansada (alguém não está?) e por isso tenho aprendido a guardar forças para dialogar sobre temas profundos com gente minimamente aberta às minhas lutas, sob pena de exaurir todas as minhas energias com coisas e pessoas que não posso mudar.

    Já recebi críticas de quem pense que esses intervalos de respiro me tornam menos militante, mas cheguei numa conclusão contrária: eles me fazem ter mais ciência do que está acontecendo fora da minha bolha de gente antenada à todas as tretas e lutas, sabe?

    Mas isso sou eu, minha gente. Super entendo quem jamais conseguirá desligar o botãozinho da problematização. A bem da verdade, acho que ele continua apitando o tempo todo na minha cabeça, o que muda é a atenção que dou para o que chega até a mim.

    Feitos vários recortes, eis as indicações dessa cartinha, que chega numa tentativa de acalentar corações. As dicas que contam com pontos problemáticos estão apontadas, assim você pode escolher se vale a pena investir um tempo nessas aleatoriedades ou não, tá?

    Para ler

    Arroz de Palma: indiquei esse livro certa vez no Instagram mas acho que não fui enfática o suficiente. Francisco Azevedo escreveu uma ficção que narra durante um século a vida de uma família de Portugal para o Brasil, cuja sorte eles acreditam girar em torno de… um saco de arroz! O livro é poético, belíssimo, para ler com calma e fingir que o bolsomundo explodiu. Me deu ódio quando a narrativa relativizou a colonização portuguesa e quando Antônio, o personagem principal, quebrou um pacto importante com a esposa? Sim, mas não deixei de chorar e de me inspirar por causa disso.

    Quadradinhas: eta, como estou viciada em HQ´s! São leituras rápidas e muitas vezes bobinhas que me distraem. Sento na rede para ler com uma xícara de chá e esqueço da vida. Se você não for uma pessoa de livros físicos, como eu, é só acessar essas belezuras pelo Instagram.

    WillTirando: há anos acompanho essas tirinhas e o meu mês favorito é o de agosto, quando os cães pipocam pelo site. Um deleite para a mãe de pet que sou hahaha!

    Para assistir: 

    Raiza Costa: para quem não conhece, Raiza é uma chef confeiteira bem sarcástica (amo) que mistura muita arte e design gráfico com memórias afetivas e uma paleta de cores vibrantes. É uma pena que ela taque produtos de origem animal em quase todos os doces que faz, então quase nunca tenho oportunidade de reproduzir as receitas. Assisto pelas técnicas e por que acho bem bonito de ver. Disponível no YouTube. 

    Crazy Delicious: eu detesto com todas as minhas forças os programas que contam com chefs de cozinha no corpo de jurados sempre prontíssimos para julgar (e até mesmo humilhar, convenhamos) os cozinheiros convidados que estão ali sob uma pressão imensa. Mesmo seguindo mais ou menos esse modelo, o Crazy Delicious conseguiu capturar minha atenção: o cenário é mágico, toda vez que assisto me inspiro a cozinhar algo diferente e, além disso, descobri nele pessoas ultra criativas para acompanhar pelas redes sociais! Disponível na Netflix.

    Somebody Feed Phill: o protagonista é um tiozão do pavê que faz piadinhas sobre a esposa e isso me dá um ranço enorme. Por outro lado, ele dança deliciosamente quando come e as entrevistas de quase todos os episódios são de babar. A edição do programa também é um deleite! Disponível na Netflix.

    In a Heartbet: uma animação curta e importante sobre o despertar de um novo amor (catei a dica no Twitter da Paola Carosella). Disponível no YouTube.

    Ugly Delicious: para uma pessoa vegana, como eu, ver o Chang cozinhar é como assistir um show de horrores, mas as entrevistas, viagens e vivências me fazem sucumbir. Indico especialmente o episódio “dont´call it curry” (“não chame isso de curry”), que me fez pensar bastante sobre a apropriação cultural que a gente sequer percebe. Sim, tem uma problematização presente nesse última frase, mas continua sendo um programa do David Chang, né? Disponível na Netflix.

    Chef´s Table: Asma Khan (@asmakhanlondon): o terceiro episódio desta série da Netflix, na temporada 6, conta a história de uma chef maravilhosa que encontrou na cozinha sua própria liberdade e a de outras mulheres também. Finalmente a série trouxe uma temporada com mulheres ganhando visibilidade tanto quanto os homens. Asma prova que não é preciso violência, gritaria ou assédio moral para se tornar uma cozinheira que desafia padrões e ao mesmo tempo lida com panelas quentes de muitos litros com força, coragem e, pasmem, tendo uma vulva no lugar do falo!

    Para escutar: 

    Playlists esquisitas para suar: sigo criando combinações musicais para as pessoas rebolarem as bundinhas em casa. O melhor é que tem quem jure de pé junto que escuta, canta e bate palma – que beleza! Minha preferida se chama “Dança Comigo?

    Esse disco delicioso do Bola Sete, que já decorei de tanto ouvir enquanto mexo minhas panelas.

    Se cuidem e se permitam um pingo de descanso mental de vez em quando, viu?


    Autopropaganda:

    Sigo prestando com muita alegria as consultorias de planejamento alimentarvendendo o e-book de fermentação de vegetais e outras coisas mais. Vem comigo?

  • You may also like

    No Comments

    Leave a Reply

    Pin It on Pinterest

    Share This